Açores: Bloco desafia governo e autarquias a deixar de privilegiar o Santander

Citamos

Esquerda Net

Zuraida Soares desafiou este domingo o governo regional, as autarquias, e as instituições regionais a deixarem de ter uma “relação privilegiada” com o Santander optando por estreitar ligações com a Caixa Geral de Depósitos (CGD) que é um banco público.

Lembrando que o Santander – comprador do Banif, que enganou milhares de açorianos – a candidata do Bloco Açores às eleições regionais, acompanhada por Mariana Mortágua, reuniu-se este domingo, em Ponta Delgada, com a Associação de Lesados do Banif.

“Há uma linguagem que os bancos entendem: a linguagem do dinheiro. E a única forma de fazer pressão sobre um banco é retirar-lhe dinheiro”, justificou Zuraida Soares, manifestando apoio à petição com este objetivo, que está a decorrer, e que dará entrada no parlamento na próxima legislatura.

Justiça aos lesados

“Esta atitude por parte das instituições da Região seria uma forma de “honrar e trazer justiça a todos os que foram lesados”, sublinhou.

é necessário fazer pressão sobre o Santander para que faça aquio que prometeu: encontrar uma solução digna para estas pessoas que foram lesadas

Mariana Mortágua salientou, por seu turno, que “o Banif era uma instituição muito importante para a economia local nos Açores”, e que “por isso nunca devia ter sido vendida ao Santander, mas sim mantida em mãos públicas, junto da Caixa Geral de Depósitos, para proteger a economia local”.

A dirigente nacional bloquista que teve uma papel importante na comissão de inquérito sobre o Banif, defendeu que é necessário “fazer pressão sobre o Santander para que faça aquilo que prometeu: encontrar uma solução digna para estas pessoas que foram lesadas”.

Mariana Mortágua lembrou ainda que entre os lesados do Banif “há muita gente que foi enganada, que investiu as poupanças de uma vida e que perdeu tudo o que tinha, em muitos casos, pessoas idosas que ficaram numa situação muito complicada”.

A deputada no parlamento nacional disse ainda acreditar que o Bloco vai fazer a diferença no parlamento dos Açores, tendo afirmado: “cada deputada e deputada eleitos pelo Bloco contam para tirar a maioria absoluta ao PS, para criar transparência na administração pública, e para impor a discussão dos assuntos que têm que ser resolvidos, sem nenhum medo, e com uma voz clara”.