PJ suspeita de lavagem de 1,4 milhões de euros pelo Banif

Citamos

Económico

No relatório enviado ao DCIAP refere-se que a descoberta ocorreu depois de o Banif ter comunicado voluntariamente , apenas um mês antes, a existência de várias operações suspeitas de branqueamento de capitais

A Polícia Judiciária suspeita que entre 2005 e 2015 “houve clara utilização, por terceiros, de contas bancárias sediadas no Banco Internacional do Funchal – Banif, como contas de passagem (uma mesmo como ‘dormant account’) [conta sem movimentos durante longos anos e com dinheiro não reclamado pelos titulares] de valores elevadíssimos entre várias empresas internacionais e centros offshore”, pode ler-se num relatório da Unidade de Informação Financeira da PJ a que a revista Sábado teve acesso.

O documento foi enviado em agosto de 2015 ao então diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, com o título “Operações Suspeitas”.

No relatório refere-se que a descoberta ocorreu depois de o Banif ter comunicado voluntariamente , apenas um mês antes, a existência de várias operações suspeitas de branqueamento de capitais, e que logo depois avançou-se para o bloqueio preventivo de três transferências financeiras suspeitas destinadas a contas em nome de offshores, alegadamente controlados pela multinacional brasileira Odebrecht, envolvida no caso Lava Jato.